Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo (Mt 8,5-17)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo (Mt 8,5-17)

Religião

Glória a vós, Senhor.

Evangelho de Jesus Cristo: Naquele tempo, quando Jesus entrou em Cafarnaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: “Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia”.

Jesus respondeu: “Vou curá-lo”. O oficial disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. Pois eu também sou subordinado e tenho soldados sob minhas ordens. E digo a um: ‘Vai!’, e ele vai; e a outro: ‘Vem!’, e ele vem; e digo a meu escravo: ‘Faze isto!’, e ele faz”.

Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado, e disse aos que o seguiam: “Em verdade, vos digo: nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. Eu vos digo: muitos virão do Oriente e do Ocidente, se sentarão à mesa no Reino dos Céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó, enquanto os herdeiros do Reino serão jogados para fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes”.

Então, Jesus disse ao oficial: “Vai! e seja feito como tu creste”. E, naquela mesma hora, o empregado ficou curado. Entrando Jesus na casa de Pedro, viu a sogra dele deitada e com febre. Tocou-lhe a mão, e a febre a deixou. Ela se levantou, e pôs-se a servi-lo. Quando caiu a tarde, levaram a Jesus muitas pessoas possuídas pelo demônio. Ele expulsou os espíritos, com sua palavra, e curou todos os doentes, para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías: “Ele tomou as nossas dores e carregou as nossas enfermidades”.

Palavra da Salvação.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo (Mt 8,1-4)

Homilia

Muitas vezes, queremos pedir coisas para nós e não nos voltamos para a dor e para o sofrimento do outro.

Esse oficial romano apresentou o sofrimento do seu empregado. Quem dera os corações humanos se preocupassem com a humanidade do outro e não com a utilidade que o outro possa ter. Quem dera que tomássemos, de fato, atenção com quem nos serve.

Às vezes, não damos nem “bom dia” para quem nos serve um café, para quem está ao nosso lado, para o sofrimento e para a dor de quem caminha conosco, no trabalho, na casa, na escola. Quem dera déssemos atenção para o outro!

Esse homem foi ouvido por Jesus porque tinha um coração convertido, porque se aproximou e amou. Ninguém se converte quando não vive uma proximidade com Deus e não vive um amor sem se preocupar com aquilo que o outro passa, sofre e enfrenta.

Ele não foi pedir nada para si, ele foi pedir para o seu empregado. Muitas vezes, queremos pedir coisas para nós e não nos voltamos para a dor e para o sofrimento do outro. “Senhor, meu vizinho passa por isso”. “Senhor, aquela pessoa passa por isso”. É ser capaz de deixar tudo que somos para cuidar do outro, isso é conversão, é Evangelho e mudança de vida.

Não se vê nenhum judeu tomar uma iniciativa dessa, não vejo muitos cristãos fazerem isso, mas um homem que era desprezado porque fazia parte de outro contexto político, ele foi com toda sua fé buscar a cura do seu empregado.

Eu vejo, muitas vezes, pessoas que nem creem em Deus, não têm a mesma religião que tenho, mas com muito amor e mais cuidado com a pessoa do próximo. É hora de revermos o nosso próximo! Que Deus nos abençoe!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.