História a verdade e a consciência

História a verdade e a consciência

Cidade

a verdade científica e também a verdade moral.

Alguém disse que se pode definir o homem como aquele que procura a verdade. A verdade religiosa, a verdade científica e também a verdade moral. Existe sempre a verdade. Mas é preciso muito cuidado com uma coisa: a meia verdade é pior do que a mentira, pois a metade da verdade é quase sempre uma grande mentira. Os tiranos e os imorais usam muito este método para enganar as pessoas e as massas.

Se você viver fora da verdade, viverá sem saber o que é a verdadeira liberdade; pois a liberdade enlouquece fora da verdade, se torna libertinagem e loucura. Muitos mentem loucamente, e são ainda mais loucos na defesa de sua mentira. Quem mente, precisa de outras mentiras para encobrir as mentiras anteriores; por outro lado, as verdades podem ser nuas, não precisam ser vestidas com roupas falsas. Se você fala a verdade, não precisa mais lembrar o que falou; já o mentiroso estará sempre preocupado. O mentiroso de certa forma é um fraco que tem medo de confessar a verdade.

É preciso notar, porém, que o silêncio muitas vezes está mais perto da verdade do que as palavras. E quem escuta a verdade tem o mesmo mérito que aquele que a anuncia. Não podemos nos submeter a nada e a ninguém que não esteja em sintonia com a verdade. Ghandi dizia que o único tirano que ele aceitava nesse mundo era a “voz baixinha” que falava dentro dele, a voz da consciência. Se o homem desprezar ou violentar a sua consciência ele estará esmagando a si mesmo porque estará pisando o que há de mais sagrado dentro dele mesmo. Esta “voz baixinha” que fala dentro de cada um de nós, é a própria voz de Deus, que colocou dentro de cada homem a lei natural. Todos os povos conhecem esta lei escrita em nossos corações e que manda evitar o mal e fazer o bem.

História de Professor Filipe Aquino.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.