Ao Vivo
Pular para o conteúdo
Evangelho de Jesus Cristo José, Filho de Davi

Evangelho de Jesus Cristo José, Filho de Davi

Glória a vós, Senhor!

Evangelho (Mt 1,16.18-21.24a): Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 

Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: “José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado.

Palavra da Salvação.

Homilia

A igreja nos convida a contemplar a amável figura do santo Patriarca. Escolhido por Deus e por Maria, José viveu como todos nós entre tristezas e alegrias. Temos que olhar para qualquer uma de suas ações com interesse especial. Sempre aprenderemos com ele. É conveniente que nos coloquemos no lugar dele para imitá-lo, porque assim poderemos responder, como ele, à vontade divina.

Tudo em sua vida —modesta, humilde, simples— é luminoso. Por isso, místicos famosos (Teresa de Ávila, Hildegarde de Bingen, Teresinha de Lisieux), grandes Fundadores (Benito, Bruno, Francisco de Assis, Bernardo de Clairvaux, Josemaría Escrivá) e tantos santos de todos os tempos nos encorajam a tratar e ame-o para seguir os passos daquele que é o Padroeiro da Igreja. É o atalho para santificar a privacidade do nosso lar, entrar no seio da Sagrada Família, para levar uma vida de oração e também para santificar o nosso trabalho.

Graças à sua união constante com Jesus e Maria – essa é a chave! – José pode simplesmente experimentar o extraordinário, quando Deus o pede, como na cena evangélica da Missa de hoje, pois costuma realizar tarefas ordinárias sobretudo nunca são irrelevantes porque garantem uma vida feliz e bem-sucedida, que leva à bem-aventurança celestial.

Todos nós podemos, escreve o Papa Francisco, “encontrar em São José – o homem que passa despercebido, o homem da presença quotidiana, discreto e escondido – um intercessor, um apoio e um guia nos momentos de dificuldade (…). José nos ensina que ter fé em Deus também inclui acreditar que Ele pode agir mesmo em meio aos nossos medos, nossas fragilidades, nossas fraquezas. E nos ensina que, em meio às tempestades da vida, não devemos ter medo de entregar o leme do nosso barco a Deus. Que Deus nos abençoe.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: